quinta-feira, 26 de julho de 2012

A SIMPLICIDADE PROFUNDA DE JESUS

 Por Caio Fábio
Mensagens | Publicado em 15/12/2008

A cada dia mais me impressiona a simplicidade de Jesus em relação a tudo.
Ele negou-se a tratar de quase tudo o que a filosofia e a teologia tratam com avidez.
A origem do mal Ele simplesmente desprezou em qualquer que seja a explicação “metafísica”. Simplesmente disse que o mal existe. E o tratou com realidade óbvia.
O problema da dor foi por Ele tratado com as mãos, não com palavras e discursos.
As desigualdades sociais foram todas reconhecidas, mas não se o vê armando qualquer ação popular contra elas.
Seus protestos eram todos ligados à perversão do coração, mas nunca se tornavam projeto político, ou passeatas, ou bandeiras.
A “queda” não é objeto de nenhuma especulação da parte Dele. Bastava a todos ver as conseqüências dela.
Sobre a morte sua resposta foi a paz e a vida eterna.
Jamais tentou justificar o Pai de nada. Apenas disse que Ele é bom e justo.
Mandou lutar contra os poderes da hipocrisia e do desamor, mas não deu nenhuma garantia de que se os venceria na Terra.
Sua grande resposta à catástrofe humana foi a promessa de Sua vinda, e nada mais.
Nunca pediu que se estabelecesse o Reino de Deus fora do homem, mas sempre dentro dele; pois, fora, o reino, por hora, era do príncipe deste mundo.
Não buscou ninguém com poder a fim de ajudar qualquer coisa em Sua missão.
Adulto, foi ao templo apenas para pregar aquilo que acabaria com o significado do templo como lugar de culto.
Fez da vida o sagrado, e de todo homem um altar no qual Deus é servido em amor.
Chamou o dinheiro de “deus”, mas se serviu dele como simples meio.
Pagou impostos; mas nunca cobrou nada de ninguém, exceto amor ao próximo.
A morte para Ele não era mesma coisa que é para nós. Morrer não era mal. Viver mal é que era mau.
Em Seus ensinos Ele sempre parte do que existe como realidade e nega-se fazer qualquer viagem para aquém do dia de hoje.
Para Ele o mundo se explicava pelas ações dos homens, e prescindia de analises; pois, tudo era mais que óbvio.
Não teologizou sobre nada. E todas as Suas respostas aos escribas e teólogos eram feitas de questões sobre a vida e seu significado agora; e sempre relacionado ao que se tem que ser e fazer.
Quando indagado de onde vinha o “joio”, Ele simplesmente diz: “Um inimigo fez isso...” — referindo-se ao diabo.
Prega a Palavra, e não tenta controla-la.

Vê pessoas crerem, mas não tem nenhuma fixação em fazê-las suas seguidoras físicas e geográficas.

Não tem pressa, embora saiba que o mundo precisa conhecer Sua Palavra.
Cita as Escrituras sem nenhuma preocupação com autores, contextos ou momentos históricos.
Arranca certezas da Palavra baseadas em um verbo “ser” — aludindo ao fato de Deus ser Deus de vivos e não de mortos, pois, “para ele todos vivem”.
Ensina que a morte é o fundamento da vida, e tira dela o poder de matar, dando a ela a força das sementes que ao morrerem dão muito fruto.
E assim Ele vai...
E assim Nele é!
Nele, para Quem a filosofia é a vida em amor,

Caio Fábio

Publicado em 15/12/2008 - 23:00

quarta-feira, 11 de julho de 2012

CASA DE ORAÇÃO OU CASA DA MOEDA?

                             Em Mateus 21:12 a 16 diz:  "E entrou Jesus no templo de  Deus, e expulsou todos os que vendiam e compravam no templo, e derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas. E disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração. Mas vós a tendes convertido em covil de ladrões. E foram ter com ele ao templo cegos e coxos, e curou-os.
                            Vendo, então, os principais dos sacerdotes e os ecribas as maravilhas que fazia e os meninos clamando no templo: Hosana ao Filho de Davi, indignaram-se e disseram-lhe: Ouves o que estes dizem? E Jesus lhes disse: Sim; nunca lestes: Pela boca dos meninos e das criancinhas de peito tiraste o perfeito louvor?"

                                      * Para Jesus:  O templo é lugar de oração; onde podemos interagir com o Pai e "mergulharmos" n'Ele em fervente súplica com fé e amor.

                                * Para os avarentos: O templo é lugar  de arrecadação financeira e não é preciso orar... "deixa o homem de deus orar por você" (dizem eles).

                                 * Para Jesus: Templo é lugar de adoração ao Eterno; onde o coração adorador se derrama diante da Santa Presença  e diz: "Ti amo ó Rei Soberano pelo que és e não simplesmente pelo que fazes."

                                  * Para os avarentos: Templo é lugar de Show onde os artistas gospel cantam e encantam plateias... é lugar onde pregadores estrelas pregam com uma "disposição" e depois levam um dinheirão (perdoe-me a rima).

                                   * Para Jesus: Templo é casa (casa de oração), casa significa: moradia, residência. Onde famílias se reúnem para ser ministradas pelo Doce Espirito e n'Ele experimentar da graça divina.

                                   * Para os avarentos: O templo é covil de ladrões onde o nome de Deus  bem como a Sua Palavra são pretextos  para fins pessoais. Com belas músicas, lindas canções e pregações convincentes arrecada-se muito dinheiro dos desesperados que tudo dão em busca da benção.

                                ACORDA IGREJA!

       
           Você já parou para analisar se o ministério que você contribui financeiramente é realmente sério? 
            A liderança presta conta do que faz com o dinheiro?  Cada centavo que entra é tratado com responsabilidade?
Os lideres se interessam por vidas de verdade? As angústias e carências espirituais das pessoas são objetos da preocupação deles, ou não estão nem ai? O ministério investe em vidas ou em construções de megas templos? Investe-se em vidas ou em luxos de líderes vaidosos?
              As perguntas acima servem para refletirmos. A casa de oração tem se tornado em casa da moeda. E isso para nossa tristeza e vergonha. O foco na maioria das igrejas é a moeda (dinheiro). Hoje, não se ora mais nos templos; não se adora mais a Deus e sim a Mamon.
               Mas, é tempo de despertarmos! E não se enganem os mercenários. Deus está levantando seus profetas e pastores que desempenharão o ministério nessa última hora com seriedade. Eles entendem que o rebanho não é seu mas do BOM PASTOR; por isso cuida desse rebanho com temor e tremor.