segunda-feira, 28 de novembro de 2011

O OUTRO EVANGELHO

E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.(Mateus 24:14)

Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema. (Galatas 1:9)

                                 Há um  " outro evangelho" sendo pregado no mundo. É um evangelho que atrai público, que dá ibop, casa cheia e grande audiência. Aqueles que o anuncia ficam famosos e se não enriquecerem, no mínimo, ficam bem financeiramente.
                                    Esse  "outro evangelho"  fala do que? qual é a sua proposta? Quem é a figura central dele?  O que ele tem produzido na alma das pessoas?
                                    
                                      Bem, esse "outro evangelho" é pernicioso, perigoso e maligno. O apóstolo Paulo disse que os anunciantes do  tal evangelho fossem amaldiçoados (disse Paulo:  seja anátema = amaldiçoado). Ele disse assim porque percebeu a sabotagem  dessa  mensagem , o estrago que  estava causando e  somos testemunhas  da miséria que causa ainda hoje, bem como o desvio óbvio da verdade de Cristo. O tema principal dele é dinheiro, ou seja, prosperidade financeira ou coisas correlatas como: casa própria, empresa, carrão, etc. O mecanismo para tanto são as campanhas com os mais variados títulos: Derrubando as muralhas de Jericó, Portas abertas, Derrubando gigante, Conquistando a terra que mana leite e mel, etc. 
                                     Eu falava sobre isso na curso de teologia e uma aluna disse: - "É pastor, se os pregadores não falar sobre prosperidade  e bênçãos o povo não vai, o local da reunião fica vazio." Essa é uma triste realidade. Porém, tem muita gente sendo despertada, as escamas dos olhos estão caindo e buscando o verdadeiro evangelho. 
                                     É uma ilusão, ou por que não dizer: uma maldade; utilizar-se de temas relacionados a bênçãos como chamariz para "fisgar" o povo. Isso é se aproveitar da simplicidade humana e desgraça alheia. Na verdade é isto o que muitos pregadores estão fazendo usando e abusando da boa fé dos crentes. E digo mais: Bênçãos não firmam pessoas na igreja e não os levam necessariamente a Deus.
                                      Outro mecanismo muito utilizado nas igrejas é o "sentir Deus". Pouco se ensina da palavra. Trabalha-se muito a emoção e gritam: "Receeeeeeeba! mais de Deus... receeeba! a unção... receeeba... receeeba..." O importante é sentir a unção, arrepiar-se, tremer, cair no chão. Tem que ter movimento - Sentir Deus ou unção para a maioria pentecostal e new-pentecostal é isso ai.
                                       Eu creio nos dons espirituais e manifestação do Espírito Santo. Não O limito no Seu agir; Ele é soberano. Todavia, o que tenho visto acontecer em muitos lugares chega a ser bizarro e patético. Um dos motivos de tudo isso  está acontecendo é que a liderança gospel na sua grande maioria não está interessada em desenvolver a consciência do Evangelho do Reino nas pessoas. Eles querem é desenvolver estratégia de como ter um bom público na próxima reunião para obter uma ótima arrecadação. Esses "ministros" mais desconstroem do que edificam, mais adoecem do que curam a alma do povo. Suas ministrações ensinam as pessoas a barganhar (negociar) com Deus, pedir bênçãos e buscar revelações que satisfaçam o ego.
                                       O "outro evangelho" vem proliferando mais e mais como uma praga ruim. São poucos os pregadores do Evangelho do Reino hoje em dia. Tenho compaixão das ovelhas desses ministros enriquecidos com mansões, jatinhos e dando shows enquanto as mesmas vivem abandonadas, até passando fome e ainda assim sendo coagidas a dizimar e ofertar do sofrido e suado salário que lutam para obter no final do mês.
                                       O Evangelho do Reino é simples, é puro, é verdadeiro, é poder de Deus, é motivado pelo amor e não pelo dinheiro. Este evangelho coloca tudo em seu devido lugar (Deus é o Senhor e soberano; o homem é pecador , mortal  e salvo pela graça;  o Diabo é anjo caído e condenado). 
                                        Posto isso, ouso concluir dizendo: Creio que uns dos motivos de  o fim ainda não ter vindo é que o evangelho pregado até então é o "outro" - o sabotado, o falsificado, o misturado e contaminado. Mas Deus tem reservado os seus profetas  legítimos que não se  prostraram perante Mamon. Estes pregarão o Evangelho do Reino sem pretensões outras que não seja conduzir vidas à verdade - e então virá o fim.