quarta-feira, 6 de abril de 2011

A POMPA GOSPEL E A SIMPLICIDADE DE CRISTO

                "Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos e se apartem da simplicidade que há em Cristo." (2 Cor. 11:3)

                   O que o apóstolo Paulo temia ou previa com relação aos crentes em Corintos, vemos cumprindo-se em nossa geração . A mesma serpente que enganou a Eva, continua corropendo os sentidos de muitos no meio evangélico para se apartarem da simplicidade do evangelho de Cristo.
                   A Proposta da pregação na igrejas de hoje é para que tehamos uma vida próspera. A idéia é que crente tem que "estar por cima e não por baixo" e por ai vai... com textos bíblicos que lhes são convinientes. Geralmente a pregação é sempre triunfalista, estérica, mistica ao extremo, fantasiosa e portanto
falsa.
                 Não estou aqui fazendo defesa a miséria e ao derrotismo. Porém, vejo que existem   problemas sérios na teologia da prosperidade. Problemas esses que não estão na prosperidade em si, mas, na teologia.
Ou seja, no ensino de alguns " mestres" que na verdade visam seus bolsos arrancando grana dos crentes que pouco sabem de Biblia, logo, pouco discernimento possuem.
                 Ter posses, bens e dinheíro é bom; não há nada de errado quando adquirimos coisas com trabalho e dignidade. O questionável é que para se prosperar  segundo esses ungidos você tem que semear até "sacrificialmente" de preferência no ministério deles para que tal benção seja "desatada". O que muitos estão fazendo com o povo evangélico é mais que covardia; é diabólico!
                 É assim que estamos. Vivemos o evangelho do carrão, da casona, das roupas de marca, dos títulos, dos shows, da pompa, do luxo e status. A ênfase que mais se dá nas falas é em ter independente do ser nas mensagens, nas músicas, campanhas e orações. O deus da igreja atual tem fome insasiavel por dinheiro.
                  A questão é: se "o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males." Por que a igreja  suspira por dinheiro? Percebemos que isso não vai dar em coisa boa. Aliás, a história já provou que o fim disso é trágico.
                   Precisamos de dinheiro para sobrevivier, mas, sei que não podemos viver para o dinheiro. Muitos cultos e congressos são voltados especialmente para o ter. O ofertório é o momento alto desses "eventos".
                   Deus está permitindo tudo isso para provar corações. A igreja está demonstrando que o seu coração não está em IAVÉ O ETERNO, porém, em Mamom.
                   Os líderes espirituais de hoje (na sua grande maioria) não pode dizer como Pedro e João: "Não tenho ouro nem prata; mas em nome de Jesus levanta e anda." Mas podem dizer: Tenho grana, anéis de ouro, muitas posses e etc. Todavia, não podem dizer: "Levanta e anda" porque não tem.
                   O amor tem se esfriado em nosso meio, a adoração sincera e verdadeira está diminuindo consideravelmente, a oração fervorosa e pura quase não se ver. Por que isso? Porque nas reuniões  e nosso ambiente não há mais espaço para isso. As reuniões da igreja  são dedicadas aos testemunhos das "bençãos", as músicas falam de "conquistas", as pregações só estimula o povo pro aqui e agora.  E por fim, vem o levantamento da o f e r t a (e dê o seu melhor!)
                  É tempo de gemermos diante de Deus e falarmos contra essa situação. Estou decidido a viver da simplicidade que há em Cristo. Tendo ou não tendo as coisas; mas, sobretudo sendo NELE!

                                                         E você?

Um comentário:

  1. Ao ler a sua postagem, entrei em sintonia com a visão do irmão a respeito das igrejas dos últimos dias.
    Acredito que o equilíbrio seria de grande valia para a Igreja de Cristo.
    Por exemplo: "ser cauda e não cabeça", ou "estar por cima e não por baixo", está fora de contexto bíblico. Contudo, orgulhar-se de enfermidades para se sentir santificado ao comparar-se a Jó, é também um absurdo.
    Muitos desconsideram o que está escrito em Isaías 53, "que Jesus levou as nossas dores e enfermidades". Sabendo-se que este versículo, não depende só do que está escrito, mas com o interagir com a promessa, posicionado-se e desvenciliando-se do pecado, usando a fé no que está escrito. Sem contudo, duvidar da mesma, para que não ocorra no pecado de dizer que Deus não cumpre o que está escrito, chegando ao absurdo de dizer que Deus Adonai é Soberano para não curar, aquilo que Ele mesmo providenciou em Cristo, não assumindo desta forma a sua incredulidade por falta de entendimento.

    Gostaria que visitasse o meu blog e fizesse também comentário no tema(s) que lhe aprouver.

    http://discipulodecristo7.blogspot.com/

    Um abraço do Discípulo de Cristo.

    Paz Seja Contigo!

    ResponderExcluir