segunda-feira, 22 de novembro de 2010

SOLIDÃO TEM CURA

                               "O  homem que tem muitos amigos pode congratular-se, mas há amigos mais chegado do que um irmão." (Pv. 18:24)
                               As  relações pessoais dentro e fora da igreja tem sofrido modificações radicais. E no inicio dessa nova era sofrerá agravantes mais acentuados. Penso que a humanidade provará o mal da solitude de uma forma impetuosa e implacável.
                                Os relacionamentos de hoje são rápidos e, forçosamente, mais efêmeros. Sabemos muito bem que para se construir amizades requer um certo tempo. Porém, tempo, é algo que as pessoas não tem. Qualquer coisa que demore um pouco causa angústia, o ser humano não suporta mais esperar e ceder seu tempo ao outro.
                                 Estar ficando difícil as pessoas se encontrarem, se tocarem e conversarem sobre coisas que seja relevante e as leve a comunhão. Nas grandes cidades os cidadãos recorrem a internet em suas multi-formas  para para interagir uns com os outros. A tecnologia é bem vinda, sem dúvida!
Todavia, relacionamentos aprofundados, saudáveis e duradouros se constrói com pessoas; olhando-a nos olhos, sentindo seu cheiro e calor, ouvindo sua voz -  inclusive aquelas  vozes que ele não consegue expressar. As máquinas podem nos ajudar nesse processo. Entretanto, relações via tecnologia são frios e impessoais. Não tem muito poder de aprofundar-se e gerar a graça e maravilhas que só acontece com seres humanos.
                                  A amizade é uma troca, é compartilhar, é amar incondicionalmente e, portanto , é também capacidade de respeitar e suportar o outro com suas  diferenças, imperfeições e virtudes.
                                   Não precisamos sofrer o mal da solidão. Quem busca a Deus encontra n'Ele um "amigo mais chegado..." e se torna capaz de ter amizades verdadeiras e sadias.
                                   A pior solidão é a que se vive em meio as multidões. É a que se experimenta na família, na igreja e qualquer forma de grupos humanos.
                                   No que tange a igreja, fica evidente que vivemos um período de crise no relacionamentos eclesiásticos. Existe rumores maldosos, fofoca, malícia e desconfiança em nosso meio. Com tudo isso ficamos decepcionados porque no convívio com os irmãos da igreja seria o de onde menos esperaríamos traições e outras "cozitas" mais... Todavia , devemos devemos estar cientes que o dia a dia com os irmãos tem seus percalços. Afinal de contas os nossos queridos são seres humanos falíveis a nossa semelhança. O Senhor Jesus conviveu com um Pedro que era conversador e dissimulado - Depois do pentecoste se tornou corajoso e ousado. Apesar de ser um traidor, Judas sempre foi amado por jesus ocupando um cargo de confiança em Seu ministério: o de tesoureiro.
                                   A despeito das adversidades que ocorrem nos relacionamentos dentro e fora da igreja, podemos ser "vacinados" contra a decepção. A presença de Deus em nós estrutura-nos e capacita-nos a superar as desilusões da vida.
                                    Como é maravilhoso termos um Amigo Eterno que nos entende, ama, acolhe, fortalece, restaura, alegra e nos dá paz.
                                     O amor humano (do pai, mãe, irmãos - de sangue e fé) deixam sempre a desejar porque são falhos. Apesar disso podemos desfrutar
de boas amizades com eles porque Deus nos capacita para tal e Ele sabe que precisamos de amigos para gozarmos de saúde emocional e espiritual.
                                    Creio que a chave para termos boas amizades estar na humildade. Devemos entender que as pessoas são limitadas. Há coisas que elas não poderão nos dar nunca. Logo, por que tanta cobrança? A solução é amá-las.   Jesus nos ensina isso; Ele nos ama apesar de nós.
                                     A solidão é provocada por vários fatores: intolerância, egoísmo, ódio, prepotência, etc. Quando somos tolerantes, compreensivos, perdoadores e afáveis nos tornamos mais receptíveis e acessíveis ao outro.
                                      A igreja pode ser o instrumento de Deus para construção de lindas amizades. Aqueles que buscam poderão achar nela cura, vida, perdão e acolhimento. Sobretudo, ela pode ser a comunidade (palavra bem sugestiva) dos amigos de verdade!
                                      Para aqueles que desfrutam amizade com Deus a deficiência (déficite) que a família , igreja e sociedade nos proporciona logo é superado porque só Ele nos satisfaz por completo. E por causa do amor d'Ele em mim estarei pleno pra dar amor ao invés de ficar cobrando.
                                      Eu não terei um milhão de amigos como canta o Roberto Carlos, mas tenho um amigo cuja amizade não tem preço ou comparação. Sua amizade vale mais que a de um milhão de amigos dessa terra; porqueela me torna capaz de amar o mundo inteiro.

                                A Missão Intinerante Edificar estar disponível para pregar em sua cidade e igreja
                         faça contato conosco

                                 Pense nisso ; divulgue esse blog e ministério.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

NÃO PARE DE ORAR!

                                           "Orai sem cessar."(I Tess. 5:17)


                        Tenho pensado sobre o tema oração e chegado a algumas conclusões.
                        Para tudo existe um limite: Para comer, beber, dormir, estudar, trabalhar... Mas, quanto a oração, as escrituras nos incentivam a aplicação  incansável; não há demarcações limitando a oração. Você pode sempre orar um pouco mais.
                        A oração é um elemento chave na vida cristã. É tão importante e vital que encontramos personagens bíblicos a praticando regularmente. Costumo dizer que a Bíblia é um livro de oração. Veja: Enos (Gen. 4:26), Abraão (Gen. 20:17), Isaque (Gen. 24:63), Moisés (Dt. 9:20), Ana (I Sam. 1:10), Davi (Sal. 17:1), O Senhor Jesus (Lc. 22:39-46), Os discípulos (At. 1:14) dentre outros...
                        Diferente do que temos visto hoje em dia em alguns ministérios, os apóstolos do Senhor priorizavam a oração; decidindo se aplicarem a ela e ao ministério da palavra (Atos 6:4). Pois compreendiam que para se obter sucesso na exposição do evangelho era necessário ter intimidade com Deus.
                         Oração é mais do que falar com Deus. É comunhão com Deus. Porque Ele quer falar conosco, interagir e se relacionar com seus filhos. Portanto, é um momento único, especial, singular.
                         Precisamos orar e perseverar em oração. A dificuldade da igreja é exatamente continuar, prosseguir orando. Baixamos a guarda. A inconstância tem sido a tônica da era atual. Porque queremos resultados rápidos. Se eles não vem,  larga-se de mão... Somos imediatista, tudo é pra já. Mas, com Deus não é assim que funciona. É preciso esperar n'Ele.
                        As pessoas ativistas não enxergam sentido na oração. Para eles oração é  "fazer nada".  Certa irmã liga pro pastor e pergunta o que ele está fazendo; ele responde que está orando. Ela então fala: _ "Já que o senhor não está fazendo nada, vamos visitar..." Vivemos em ritmo alucinante, queremos fazer acontecer. Oração nesse caso, passa longe;  não tem relevância alguma.
Falta o entendimento que horas investidas  na presença do Senhor é trabalho. Muitas batalhas são vencidas primeiramente no campo da oração. Foi no jardim do Getsêmani que Jesus obteve forças para beber o cálice da amargura que redundaria em nossa vitória eterna.
                        Outros entendem oração como movimento. São extremamente emotivos e agitados. Quando passa  "aquele momento" tudo acaba. Me lembro de uma vigília em São Paulo em que no início foi pura euforia, depois de umas duas horas, os agitadinhos  estavam dormindo.  Modismos fazem isso: provocam a alma humana mantendo sempre as pessoas longe de Deus e de uma vida de oração verdadeira. É mais conveniente fabricar algo na carne que  resulte em algum tipo de sentimento mesmo que seja passageiro,  do que dedicar-se em buscar ao Senhor para ter uma comunhão genuína. Muitos provocadores de animamento (e não avivamento)  simplesmente não oram. Vamos orar meus irmãos!
                         Outra questão que quero observar é o que chamo de "cultura de receber oração". Alguns irmãos nem oram mais. Estão viciados em receber oração de alguém (profetas, profetizas... logo, são enganados com facilidade). Eles não dobram mais os joelhos, se acomodaram as orações dos "ungidos".
                           Esse quadro precisa mudar. Vamos criar em nossos lares e ministério uma atmosfera de oração. Vamos interceder mais e com persistência para que de fato esse avivamento profetizado para nossa pátria se cumpra! É tempo de clamar diante do Trono de Deus pelas famílias, igreja, ministros, jovens, crianças, casamentos e reuniões da igreja para que a glória do Senhor se manifeste em nosso meio. Não pare de orar!
                                          Pense nisso e se quiser faça o seu comentário.

                       
                

terça-feira, 19 de outubro de 2010

A IGREJA VAI BEM?

                            "Ouvi, Senhor a tua palavra e temi; aviva, ó Senhor,
                             a tua obra no meio dos anos, no meio dos anos   a
                             notifica; na ira lembra-te da misericórdia."   (Hab. 3:2)

                         
                                 Quem ler a Bíblia e conhece um pouco de história da igreja, se depara com uma realidade assustadora ao confrontá-la com a situação da comunidade evangélica atual. É lastimável e preucupante a frieza espiritual do povo cristão. Temos em nosso meio: Líderes de ministérios e pregadores causando escândalos, famílias cristãs se desestruturando, crentes se afastando da fé, mensagens abordando mais bençãos do que Deus e vida de santidade, mensagens que seguem mais uma linha  motivacional para ter, possuir, conquistar, ser bem sucedido do que vida com Deus. Não estou falando contra a fé bíblica para receber o favor do Senhor; me refiro a essa agonia em que virou nossos púlpitos onde os pregadores parecem mais consultores (Lair Ribeiro e outros) que trabalham temas sobre pensamento positivo e motivação para ser pessoas de sucesso. Você já observou que crente hoje tem que ser rico? Isso sem falar na politicagem, idolatria a "profetas", fofoca, misticismo doentio, etc. Vivemos o antropocentrismo evangélico - o homem está no centro, tudo gira em torno dele na igreja. Deus? Bem, Deus é só pra ser usado (é a única palavra que encontro) como um "super-abençoador" que está sempre disponível em prol dos caprichos da igreja. 
                            Penso que o mundo veja Deus com certa vulgaridade graças a maneira como Ele é tratado e anunciado pelos que se dizem cristãos. Que vergonha essa situação que vivemos!
                            O mais chocante é vermos que alguns irmãos e líderes acham que tudo está muito bem. Dizem eles: "A igreja no Brasil vai bem... Estamos em franco avivamento... Somos em grande número nesta nação..." Tudo isso é verdade? Quais as implicações desse crescimento todo? Temos sido sal e luz nessa "pátria amada Brasil" ?
                             A despeito do grande número, ainda deixamos muito a desejar. Como diz o velho ditado: "Tamanho não é documento." Existe um orgulho no meio evangélico por causa da nossa influência política, nossa música de ponta, nossos artistas, atletas de cristãos, empresários, mega-templos, etc. Pra que esse orgulho bobo? 
                             Os candidatos políticos sabem que temos tamanho mesmo; e por isso correm atrás de nosso voto em época de eleição. Na realidade, deveriam vir a nós por outros motivos: por causa de Cristo em nós, buscar conselho, sede de salvação e mesmo para que orássemos por ele. Mas, infelizmente não tem sido assim. Essa ideia de que vai tudo bem e que somos o máximo me leva a Apocalipse 3:17-18 que diz:

                                   "como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta (e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu), aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças, e vestes brancas, para que te vistas,e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os olhos com colírio, para que vejas."

                               Temos nos gabado muito. Dizemos que somos, que temos, que podemos e que temos a força. Na realidade não é nada disso. Precisamos de mais humildade, vigilância e sobriedade. Os apóstolos e avivalistas do passado não agiam assim. Eram homens sérios e comprometidos com Deus.
                             Eu desejo com todo o meu coração que venha sobre esta geração um grande avivamento do Espírito. E que sejamos inflamados pelo amor e zelo de Deus! Ainda não veio o pleno avivamento; tudo indica que não. Mas virá. Vamos continuar crendo e orando. Enquanto não acontece no coletivo nada impede de experimentá-lo em minha vida pessoal. Vamos pedir a Deus que comece  em nós.
                              Vamos deixar a religiosidade e conformismo. Não está tudo bem!!! É momento de clamarmos com paixão e constância. Então, os céus se abrirão e virá sobre nossa geração um avivamento tão maravilhoso como nunca se falou na história.
                                Não temos do que nos gloriar. Nosso conhecimento teológico, nossa música, nosso dinheiro... de que valem sem a presença de Deus? Chega de arrogância! É tempo de nos prostrarmos! e orar como o profeta Habacuque:

                          "... na ira lembra-te da misericórdia."
                          
                         
                         A Missão Intinerante Edificar estar disponível para pregar em sua cidade e ministério. Faça contato conosco.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

UMA PERGUNTA E O EVANGELHO ''COISIFICADO''

Nós estamos sempre expressando nossos anelos e desejos. É natural compartilharmos projetos com parentes, conjuges, amigos e irmãos de fé. Afinal de contas, ficamos como que encantados; absortos e eufóricos em meio aos sonhos que sempre nos pomos a relatar a alguém.
                                    Ocorre que pelo fato de nem sempre conquistarmos as coisas que almejamos ficamos frustrados e nos decepcionamos. Uns tornam-se amargos, outros ficam céticos e desanimados ao extremo. Certas pessoas, não suportando a in-realização de um sonho, resolvem então, dar fim a própria vida.
                                     A maneira de se lidar com tal
 decepção dependerá do grau de experiência de vida (maturidade), sabedoria e o mais importante: Conhecimento de Deus.

                                        Uma vida na presença de Deus. Esse é o maior projeto de uma pessoa.
                                                 
                                                     O rei Davi não descansou enquanto não concretizou o seu maior projeto: Levar a arca da aliança para Jerusalém. No Salmos 132:4-5 ele diz:

                           "não darei sono aos meus olhos, nem repouso às minhas pálpebras, enquanto não achar lugar para o Senhor, uma morada para o poderoso de Jacó."


                                            Temos nestes versiculos uma referência a arca da aliança e construção da templo para acômoda-la. Analisando a história bíblica descobrimos que o salmista não edificou o templo e sim o filho Salomão. Porém, a presença de Deus (representada pela arca da aliança) foi a sua maior aspiração. Ele fala, ora, canta, projeta e até guarda algumas economias para concretização desse ideal (algo em torno de 3.000 toneladas de ouro); sem falar nas toneladas de prata, cobre, etc. Leia I Cron. 22:14.
                              Davi era falho, imperfeito e pecador semelhante a mim e você que agora ler esse texto. A Bíblia não omite seus erros e pecados. Entretanto, havia uma virtude que o tornava diferente: O amor e devoção queimavam em seu intimo por Deus! No entendimento desse grande adorador, o ETERNO era mais importante que títulos, posição, reino, fama, riqueza, etc...
                              Lamentamos pelo fato de vivermos um evangelho tão  "coisificado". Nele, o relacionamento com Deus é pautado ou embasado pelas coisas que posso ter d'Ele.
                              Vivemos uma época de superficialidade nos relacionamentos humanos. Estamos na era dos descartáveis - usa e joga fora. Isso se reflete na vida cristã refletido pelas atitudes interesseiras da igreja. 
                              Precisamos conhecer mais a Deus. Nos relacionar com zelo e dedicação aos assuntos do Espirito. Nos achegar a sala do Trono, ouvir Sua voz, esudar  Sua palavra, orar e adorá-lo.
                              Estou falando de comunhão profunda e estreita com o Senhor Deus. É isso que busco para minha vida e geração.
                               Precisamos rever nossos conceitos, valores e motivaçõs. É tempo de mudança! Se faz necessário um reavivamento do Espirito com urgência! A pergunta de Davi é a pergunta que não quer calar: 

          "Como virá a mim a arca do Senhor?"  ( 2 Samuel 6:9)

                            Nós estamos sempre fazendo outras perguntas. E elas estão sempre voltadas para as coisas que posso ter de Deus. Consequentemente o evangelho perde a graça, o poder e o amor porque termina virando mero comércio - "toma lá - da cá".
                            Bençãos de cura, prosperidade e milagres são coisas para o aqui; são temporais. O povo as recebe e logo esquece.  A multidão que acompanhava ao Senhor Jesus sempre via os sinais que Ele realizava. Entretanto, estavam pedindo mais milagers (S. João 6:29). Você compreende?
Por mais estonteantes e impactantes que sejam os milagres e bençãos, não são suficientes para satisfazer a alma humana.

                             Eis ai uma pergunta prepoderante: Como eu posso ter mais de Deus em minha vida? É uma questão que meche  com todo o nosso ser e nos estimula a uma atitude de entrega sábia e radical ao ETERNO. Pois só teremos mais de Deus a medida que nos rendemos aos Seus pés. É dai que vem a verdadeira alegria, satisfação, plenitude e libertação do egoismo.


                                 "Far-me-ás ver a vereda da vida; na tua presença
                                  há abundância de alegrias; à tua mão direita há
                                  delícias perpetuamente."   (Salmos 16:11)


                               O que torna um cristão pleno é a presença de Deus em sua vida. As demais coisas passam... Podemos viver com ou sem elas. Porém, Deus é insubstituivel. Nada nem ninguém ocupará o lugar que pertence a Ele.

                              Oração: Amado Deus, carecemos tanto do Senhor. É algo tão intenso que não conseguimos expressar com palavras. Por isso pedimos ao Doce Espirito Santo que nos ajude intercedendo por nós com gemidos inespremíveis.
                                     Perdoa-nos como igreja pela mercantilização do evangelho. Liberta-nos do apego as coisas que o Senhor pode conceder bem como da busca desesperada por elas. Dai-nos o que mais precisamos:
Dai-nos mais de Ti, para que O conheça-mos e possamos viver o Teu Reino. Amém!

                                Eu encerro dizendo que a Missão Intinerante Edificar é um ministério a disposição da igreja de Cristo. Somos instrumentos de Deus para despertar nossa geração a luz da Palavra no intuito de conscientiza-la a buscar a face do ETERNO. Faça contato conosco.

                               Aceite meu abraço.

                        Divulgue nosso blogger e ministério.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

ANALISANDO O MINISTÉRIO INTINERANTE

                     O ministério intinerante é compreendido e aceito por uns; mau interpretado e rejeitado  por outros. Percebo que a igreja necessita de ensino quanto aos tipos de ministérios para saber diferenciar e respeitar o chamado de cada individuo.
                     O apóstolo Paulo indaga a igreja de Corinto: "Porventura, são todos apóstolos? São todos profetas? São todos doutores? São todos operadores de milagres?"  (I Cor. 12:30).
                       A resposta para essa pergunta é: Não. A igreja é chamada de corpo de Cristo. Ora, o corpo tem vários membros, os quais por sua vez exercem funções que lhes são pertinentes. Não vou aqui explicar sobre os ministérios bíblicos de pastor, profeta, mestre, etc. Quero me deter ao tema do trabalho do Ministro Intinerante; seus incômodos, desafios e benefícios para a igreja.

                        1- Nem todos que dizem ter um ministério intinerante  o possuem de fato. Certos pregadores que se acham chamados para tal missão, na realidade, ficam fazendo "movimentos" por ai sem relevância alguma para a igreja do Senhor.
                            O Ministro Intinerante levantado efetivamente por Deus, tem algo muito especifico da parte do Senhor que deve e precisa ser ministrado em certos lugares aonde o Espirito Santo o designar. Você compreende isso?
                              
                            O sinal claro que o ministro tem vocação para intinerância é que haverá necessidade daquela ministração da parte dele naquele lugar. Haverá uma testificação (confirmação) que ele será necessário para ministrar aquele tema ali. Então, veja: a questão não é dinheiro. A questão é edificação da igreja do Senhor! Porque as igrejas e ministérios por onde passam o mensageiro de Deus farão boas referência do trabalho que o intinerante fez ali. Portanto, é bem mais que mero jogo de marketing (dvds, cds, televisão, etc) é questão de projeto de Deus mesmo.
                             2- Alguns ministérios recusam os intinerantes por motivo e atitudes negativos que falarei aqui. Por exemplo:

                             a) São anti éticos.
                             b) Entram em questões doutrinárias causando confusão para o pastor local "arrumar" depois que eles vão embora.
                             c) São afoitos e querendo exibir "autoridade espiritual" terminam sendo grosseiros e deselegantes com o rebanho dos colegas.
                             d) Transmitem "revelações" (mentirosas), trazendo confusão e falsas esperanças para os crentes.
                             e) Fazem exigências  absurdas para ir pregar ou cantar, etc.
                             f) Agendam para ser o pregador oficial em eventos, e no dia marcado não vão ou simplesmente mandam outra pessoa para substitui-los.

                              Não vou continuar citando comportamentos inconvenientes de certos intinerantes porque não preciso. É chato falar dessas coisas tão desagradáveis...
                             Bem, entendo que todo homem de Deus deve ser ético e extremamente cuidadoso.  Principalmente se tratando dos intinerantes que estão sempre em terras alheias e nas "casas dos outros". É uma questão de sabedoria, maturidade e responsabilidade. Cabe aos  mesmos ser  respeitadores e observar certos protocolos (saber entrar e saber sair). Bons modos, boas maneiras, educação e humildade podem ser tidos como requisitos básicos  para  Ministros Intinerantes.
                              Certos pregadores intinerantes ficam soberbos, arrogantes e insurpotáveis. Não aceitam correção dos que desejam de fato ajudá-los; não querem pregar em congregação de pequeno porte (sendo que muitos deles começaram de lá). A soberba precede a queda e ruína...
                               O ser usado por Deus vai muito além do que tem sido padronizado por ai. Um homem pode ser usado pelo Espirito para transmitir uma revelação, mas pode ser usado para dar um abraço... Há uma ideia veiculada pela mídia evangélica  que dá a entender que os intinerantes são super-pregadores. Eles pregam com voz impostadas forçadamente, revelam algo de cinco em cinco minutos e apresentam gestos extravagantes e excêntricos . 

                                O esteriótipo aceito comumente no meio gospel para a intinerância é do tipo referido acima. Justificam dizendo: "Tem que quer ser alguém que agite o povo".
                                Por isso temos tão pouco de Deus em nossas reuniões e por sua vez, pouca mudança e crescimento no povo cristão. Por aceitarmos os agitadores e fabricantes de "fumaça" sofremos horrores. Até quando? Eu pergunto. Fumaça qualquer um pode fazer. É só criar uma performance , imitar alguém, seguir o padrão gospel e pronto. Será um show! Todavia,  a presença de Deus é atraída por homens e mulheres que levam Deus a sério e não brincam com o sentimento do povo.
                                Quanta gente nos púlpitos forçando a barra... Emocionando o auditório, usando auto-sugestão e técnicas da neuro-linguística. Nós não precisamos desses expedientes. 
                           Palavra é suficiente e Deus vela por ela para cumpri-la. Para Deus nos usar basta nos disponibilizarmos  que Ele nos usará. Não é preciso fabricar nada! Queremos glorificar a Deus na intinerância ou promoção humana?
                                 3- Um outro motivo de comentários negativo quanto aos intinerante é no tocante a dinheiro. Alguns (veja, não são todos) pedem altos valores. Ou pedem ao pastor local para ficar com toda a oferta do culto. 
                           É natural que uma igreja pague todas  as  despesas e gastos
   de  viagem e estadia de um pregador de fora bem como lhe honre com uma oferta generosa. As empresas sérias recompensam muito bem os seus funcionários e colaboradores. Por que os filhos da luz agiria de forma mesquinha? Uma igreja que convidar um pastor que vive na intinerância e não expressar o mínimo de consideração pelo seu ministério  nega a fé e princípios cristãos. Imagine um pregador desesperado sem ter a passagem para retornar para casa ou que mal tem como pagar um lanche na viagem? Não é um vexame? Existem certos detalhes que o ministério patrocinador do evento tem de observar carinhosamente ao convidar alguém de fora.                                     A igreja deve dar "honra dobrada= pagamento dobrado" diz I Timóteo 5:17 diz: "...principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina." Quando a igreja cumpre sua parte Deus a cercará com favor e bençãos sem contas.
                                    Por outro lado, discordo desses pregadores que exigem cachês, são pesados, dispendiosos e luxuosos. Cheios de exigências; tem que vender "x" Dvds, livros, cds antes de eles irem, ou receber 50% antes de "x" valor (que eles já estipularam).
                                      A Bíblia nos ensina a não sermos pesados aos irmãos(I Tes. 2:6,7). Creio que o padrão que alguns pregadores querem impor fogem da simplicidade do evangelho (não estou falando de miséria, falo contra a extravagância). Bem da verdade, eles agem assim porque são avarentos e encontra quem os banquem. 
                                       Vejo o ministério intinerante como uma arma especial de Deus para o bem do corpo de Cristo. O que a igreja precisa fazer é separar o verdadeiro do falso, ver quem é quem. Os verdadeiros tem compromisso com Deus e Sua palavra. Por onde passam exalam o bom cheiro de Cristo, levam a Paz do Senhor e edificação.

                                         Pense nisso e divulgue esse blog.
                               

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

O CHAMADO DE DEUS PARA ESSA GERAÇÃO

                               "Como a corça bramindo por águas correntes, assim a minha alma está bramindo por ti, ó meu Deus!" (Salmos 42:1)

      O segredo dos grandes personagens bíblicos bem como dos pais da Igreja sem dúvida alguma era a busca pela presença de Deus.
       Eles tinham um estilo de vida centrados num fim: Achegar-se mais  ao Senhor. Devemos atentar que eles faziam isso com muita intensidade. Não negociavam esse propósito com nada desse mundo.
        Para a corça (veada), o ribeiro de águas é questão de sobrevivência. Ao banhar-se ela consegue escapar de seus predadores; pois o banho elimina o mal cheiro que ela exala.
         O Diabo nos persegue porque deixamos pistas ou rastros. O nosso "cheiro" de carne (pecados) dá a ele motivos para nos constranger seriamente. Exemplos: Fofoca, ciúme, inveja, avareza, malícia, impureza... Precisamos urgentemente mergulhar em Deus!
           A igreja hodierna desfruta de privilégios. Temos excelente música, boas mensagens, coreografias, dons do Espírito, templos confortáveis, etc. Tudo isso é bom e perigoso ao mesmo tempo. Porque temos dado sinais de auto-suficiência, comodismo, prepotência e religiosidade. Deus tem ficado em segundo plano no cristianismo atual. Homens são idolatrados por causa de dons, unção e oratória. Nossas reuniões são lotadas se tivermos alguém famoso, de sucesso segundo a mídia ou for ex-alguma-coisa. A pergunta é: O Senhor Jesus não nos satisfaz?
            Claro que Deus usa os seus ungidos com seus dons e talentos. Creio que Deus nos abençoa e prospera-nos. Mas entendo que a essência da vida cristã é comunhão com o Eterno pelo que Ele é não pelo que pode fazer ou dar apenas.
            Tenho orado e pregado para que tenhamos uma vida avivada e saturada com a presença de Deus. A geração do século XXI pode causar uma marca tremenda na história. Pelo fato de ser uma geração que ama estar na presença de DEUS.
             O Senhor nos inseriu nesse contexto para sermos canais e agentes formadores de um grande exército de homens e mulheres rendidos inteiramente a Deus sem reservas.
               Eu digo sim a esse chamado. E você?


               Aceite meu abraço e faça contato com a Missão Intinerante Edificar,
estamos disponíveis para ministrar e abençoar vidas.
                              
          
                           Deus seja contigo!


                 Teremos mais novidades  pela frente, aguardem e divulgue esse blogger!